“Vocês sabem o que significa Anel???”

Casamento de uma das primas da Marilia, tudo muito chique, todos concentrados no sermão do pastor que falava sobre aliança, que aliança é inquebrável, etc…
De repente ele solta a frase:
– Vocês sabem o que significa ANEL?

Ok, tudo muito certo se a Marilia não tivesse visto o Programa do Jô alguns dias antes, onde o entrevistado discorria sobre a origem das palavras, e uma delas era o ANEL. Segue a explicação retirada do livro do entrevistado em questão:

“ANEL
Anus, em latim, significa “ânus” ou “anel”. A palavra raramente era usada pelos romanos com o sentido de
“anel”, sendo logo substituída pelo seu diminutivo, que veio a ter duas formas anulus ou anellus. Assis, anus
ficou com o significado de “ânus” e o diminutivo anulus (ou anellus) passou a significar “anel”.
Anus virou “ânus” em português, e o seu diminutivo anulus (ou anellus) originou a palavra “anel”.
Por causa dessa dupla forma anulus ou anellus, o dedo em que usamos o anel é chamado de anular ou
anelar”

E pronto, foi só juntar uma coisa a outra e à vontade de querer responder que ocasionou em uma crise de riso jamais tida antes! Com direito a dor de barriga e lágrimas!!! E só piorava quando ele ressaltava a importância do ANEL, a força que o ANEL tem, que todos devemos cuidar do nosso ANEL e “pra que serve o ANEL???”.

E vocês sabem que crise de riso é contagiosa, não??? Quando estava tudo se acalmando a Marilia olha ao redor para analisar a altura largura comprimento e peso do mico que acabara de pagar, e vê que uma outra prima que também havia assistido ao programa estava com o mesmo problema!

A crise de riso só passou quando os noivos fizeram os votos, e graças a Deus pastor não colocou nenhum ANEL no meio.

Ainda bem que a noiva fica de costas quando está casando!

Difícil foi explicar depois o motivo de tanta risada…

Excesso de informação muitas vezes atrapalha!!!

As avós da minha vida

Eu tenho 4 avós na minha vida. E todas elas merecem ser honradas. Aproveitei a deixa da Rede Mulher e Mãe com a blogagem coletiva sobre avós e resolvi fazer uma singela homenagem.

Vó Aracy (mãe da minha mãe):

Vó Aracy cuidando de mim 🙂

Vó Aracy e vô Oscar me visitando quando Mateus nasceu

Foi quem ajudou a me criar. Quando minha mãe se separou do meu pai e eu tinha meses de vida foi ela quem deu a maior força.

Ela que me ensinou a ler, catava meus piolhos (ok, isso nem é emotivo ou coisa parecida mas eu me lembro disso também), cuidava de mim quando estava doente,  me ensinou a amar os filhos de uma maneira incondicional. Ela era meio antiquada tinha uma tendência de se magoar com as coisas (e eu acho que isso não fez muito bem pra ela). Prendada! Blusas de lã lindas, blusas de crochet, tapetinho de patchwork tudo o que ela olhava e gostava ela fazia. Fez um colcha pra mim (em crochet) de florzinhas feitas só com retalho dos fios que ela usava para outros trabalhos, quando a Lais tiver a caminha dela eu vou colocar lá porque ela sempre me falava que aquela colcha era pra eu dar pra minha filha depois que eu casasse. Aprendi a fazer tricot e costurar com ela. Crochet ainda é o mistério da minha vida.

Acho que o maior desgosto que dei pra ela foi eu ter casado cedo. Eu explico, pra ela a mulher deveria estudar, trabalhar, ficar fora de casa o máximo possível. Mas isso porque ela não se conformava de ter largado os estudos e casado cedo. Se ela me visse hoje com certeza concordaria que pra mim foi o melhor caminho. Com ela aprendi a confiar e a depender de Deus pra tudo. Ela faleceu faz mais de 10 anos (eu não guardo data de falecimentos de ninguém). Só lembro que foi no dia depois do Dia das Mães, ela infartou e morreu falando o Salmo 23 que foi o salmo da vida dela, e é o da minha também. Me faz muita falta. Não desprezo os sacrifícios que a minha mãe fez por mim, mas a minha vó foi a minha mãe. Eu lembro de uma cartinha que ela escreveu descrevendo o dia em que eu nasci. Pena que essa carta se perdeu. Mas tinha um trecho que falava algo “quando vi aquela bonequinha branquinha de cabelo preto e lacinho vermelho na cabeça pensei que era a menina mais linda que eu tinha visto”. [Pausa pra chorar] Mas eu fico feliz que ela me viu nascer, crescer e me viu casar, parir meu primeiro filho. Ela foi parideira, teve 7 filhos de PN todos em casa :).

Mas não tão parideira quanto a minha outra vó…


Vó Oracy (sim eu tenho uma Ara e outra Ora… ) mais conhecida como Cecy (mãe do meu pai)

Vó Cecy e eu no dia do níver de 90 anos dela

Já vou começar dizendo que ela teve 12 filhos de PN tá? E que ela está vivinha da Silva com seus 91 anos quase 92. E que ela é linda, sempre foi e dizem que eu sou a cara dela (oi?). Essa minha vó só tem carinha de gente frágil, mas é uma rocha! Ficou viúva na minha opinião cedo, (meu avô morreu uns meses antes de eu nascer) já passou por a coisa mais terrível que uma mãe pode passar que é a perda de um filho (no caso dela foram dois filhos) e continua linda e lúcida! Passou por um sequestro daqueles de telefone esses dias atrás, eu queria matar o idiota que fez isso com ela, mas no final se conversar com ela sobre isso agora ela consegue rir da situação. Foi no show da Elba Ramalho também esses dias, e quanto ela pode dispensa a empregada pra poder ficar com o dinheiro da diária (desculpa vó, te dedei!). Também é prendadíssima e até hoje costura roupas para ela e faz uns sapatinhos lindos de tricot para os bebezinhos da família, que não são poucos né? Quando a família se reúne pra comemorar o aniversário dela é muito engraçado! Porque mais da metade não se conhece hehe! Ela que deu força pro meu pai depois da separação e também quem cuidava de mim quando ia passar as férias com ele. E sempre era muito divertido! Se tinha uma coisa que a vó sabia era do que criança gosta! Ela que me ensinou a gostar de ir no shopping, de ser uma mulher bem cuidada na aparência, a me portar de acordo com a situação e sempre ver o lado bom das coisas. Dizem que o segredo dela é Emulsão Scott, domir depois do almoço e creme Pond´s.

Vó Aurora (vó paterna do Amorzo)

Vó Aurora e eu

Essa vó foi mais difícil. Ela é como uma mãe do meu marido então pensem… foi a minha sogra. Acho que o maior medo dela era de eu não ser uma boa esposa para o Daniel, de ele acabar sofrendo, essas coisas que vó/mãe se preocupa. Quando começamos a namorar foi tudo bem, mas quando o negócio começou a ficar mais sério eu enfrentei uma oposição danada! Mas com o passar do tempo ela observando as minhas atitudes e eu sempre deixando claro que nunca odiei ela por nada (mesmo quando ela falava coisas que eu sabia que era pra me provocar :P) a nossa amizade foi se fortalecendo e hoje em dia tenho ela como se fosse minha vó. Ela tem altas histórias de vida pra contar que dariam um ótimo livro! Fazem anos que ela não sai de casa por causa da osteoporose, mas sempre está atualizada através do telefone. Garanto que se ela conseguisse usaria a internet também hehe. Preciso falar que das avós é a MAIS prendada de todas, pena que ela não consegue mais fazer as coisas que ela tanto gostava. Tenho uma gratidão enorme por ela, por todos os conselhos e principalmente por ter cuidado do meu marido até a gente se conhecer.

Vó Laura (mãe do meu padrasto)

Minha mãe, vó Laura e tia Andrea

E por último e não menos importante a vó que me adotou, me acolheu quando minha mãe casou de novo. Ela ainda não tinha netos “de sangue” e sempre me tratou igual mesmo quando eles vieram depois. Eu quase não a vejo mais, minha mãe não é mais casada com o meu padrasto (ele continua sendo meu pai2 tá?) mas sempre nos perguntamos uma da outra.

Ela é uma gaúcha baixinha divertida e às vezes braba! Ela me ensinou a tomar chimarrão, fazer chá,  fazer sagú, a colocar charque de molho, cerzir, me contava altas histórias do Sul e da bruxa Griselda hahaha! Ah sim, me deixava brincar com água por horas nos dias de calor :D. Cozinhava que era uma maravilha! Só de falar nela me dá saudade.

Veja se não fui privilegiada por essas 4 mulheres que fazem parte da minha história. Tudo que eu contei aqui não é metade do que elas são e fizeram. Mas fica como uma homenagem.

Com carinho da neta de vocês,

Marilia

P.S.: Infelizmente meus filhos não têm a mesma sorte, moram longe dos avós que sempre que podem se fazem presentes! Acredito que se eles morassem perto o vínculo seria maior!

BjoS!!!

Lado Amélia – Eu tenho um…

Vou inaugurar uma categoria aqui no blog: Meu lado Amélia pensa que…

Eu explico. Tenho um lado Amélia, só que ela tem muita vaidade, não acorda cedo, tem diarista e continua sendo bem mulher de verdade.

Eu gosto de cuidar da minha casa e tenho algumas técnicas pra fazer desse meu lado feliz mas de um jeito prático.

Hoje vou falar sobre lavar roupinhas de bebê. Porque passei o dia todo fazendo isso haha!

Aí que as tias velhas dizem que você tem que lavar tudo manualmente, cheguei a escutar esses dias que não pode torcer nem centrifugar a roupinha do bebê senão ele terá cólicas! Jesus Maria José e todos os Santos! Se eu não pudesse centrifugar as roupas dos meus filhos (do primeiro eu não tinha máquina mas minha vizinha me salvava nos dias frios) eu não viveria!

Eu gosto de usar nas roupinhas o Sabão Coquel, ou o Ola. Nas da Laís tenho usado o Ola porque tá mais barato, é cheirosinho e é rosa.

Para as roupinhas usadas (que grazadeus e azamigas tem bastante aqui 😀 !) que você ganha ou repassa de um irmão pro outro dá pra colocar na máquina com o sabão, colocar vinagre (de álcool!!!) pra amaciar e reavivar as cores (umas 2 colheres de sopa pra uma máquina cheia é suficiente) e deixar no ciclo pra tecidos delicados e ser feliz. Se por acaso algo estiver com cheirinho de guardado coloca um pouquinho de lisoform junto. Ele tira o cheirinho e não, não vai fazer mal para a pele do bebê se ficar na dúvida coloca para enxaguar 2 vezes. Se tiver alguma mancha, esfrega com sabão de coco em pedra.

Já as roupinhas novas vem todas engomadas e sabe Deus onde que a pessoa colocou a mão antes de mostrar ela pra você e mais 500 mães felizinhas que foram lá comprar. Já me falaram pra lavar normal e enxaguar 8 vezes… eu nunca entendi esse 8. Acho que é algo mítico, sei lá. Eu enxaguo até eu ver que não sai mais aquela gosma da roupinha. Mas primeiro jogo tudo na máquina com sabão e o vinagre e depois que centrifugou uma vez é que eu enxaguo e coloco pra centrifugar de novo.

Agora me diga… se não é um lado Amélia mesmo que eu tenho. Eu poderia deixar isso pra diarista fazer, mas nãaaaaaao! A primeira lavada das roupas eu tenho que fazer, é uma questão de honra haha!

Amorzo olha pro varal e fala:

– Parece que entrei na casa de outra pessoa, ou que você tá lavando roupa pra alguém…

Tem um azul alí também!

Espero que ajude alguém que esteja lavando roupinhas por opção ou necessidade ;).

BjoS!!!

Muitas coisas…

Não tem coisas que acontecem que por mais que você esperasse ainda te surpreendem?

Aí você pode até esquecer por algum momento quem você é, porque você defende tanto os seus ideais, porque certas coisas te incomodam, e porque você acaba por isso tudo incomodando outras pessoas.

Se você tem caráter algo sempre vai fazer você lembrar quem você é e seu lugar nessa vida. Eu não sou mais uma pessoa religiosa, acredito em Deus e que não é uma religião que eu sigo que vai me salvar. Mas leio muito a bíblia, que muita gente que tem preconceito nunca se deu o trabalho de ler. E hoje, depois de muitas coisas que vieram para me incomodar eu ainda estava feliz (aliás estou) mas é lógico que mesmo não querendo eu acabei entrando num “modo pensativo” e fui buscar na bíblia algo para me fazer entender tudo o que acontece comigo (vai que eu sou louca mesmo e digna de pena?). E encontrei algo que me fez lembrar quem eu sou e sempre fui, e como Deus tem cuidado de mim todos esses anos.

Salmo 139

Senhor, tu me sondas e me conheces.

Sabes quando me sento e quando me levanto; de longe percebes os meus pensamentos.

Sabes muito bem quando trabalho e quando descanso; todos os meus caminhos te são bem conhecidos.

Antes mesmo que a palavra me chegue à língua, tu já a conheces inteiramente, Senhor.

Tu me cercas, por trás e pela frente, e pões a tua mão sobre mim.

Tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance, é tão elevado que não o posso atingir.

Para onde poderia eu escapar do teu Espírito? Para onde poderia fugir da tua presença?

Se eu subir aos céus, lá estás; se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás.

Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar,

mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá.

Mesmo que eu dissesse que as trevas me encobrirão, e que a luz se tornará noite ao meu redor,

verei que nem as trevas são escuras para ti. A noite brilhará como o dia, pois para ti as trevas são luz.

Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe.

Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza.

Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra.

Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir.

Como são preciosos para mim os teus pensamentos, ó Deus! Como é grande a soma deles!

Se eu os contasse seriam mais do que os grãos de areia. Se terminasse de contá-los, eu ainda estaria contigo.

Quem dera matasses os ímpios, ó Deus! Afastem-se de mim os assassinos!

Porque falam de ti com maldade; em vão rebelam-se contra ti.

Acaso não odeio os que te odeiam, Senhor? E não detesto os que se revoltam contra ti?

Tenho por eles ódio implacável! Considero-os inimigos meus!

Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações.

Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno.

Deus me sonda, me conhece, sabe dos meus pensamentos, das minhas intenções, e porque ele sabe eu posso viver tranquila.

BjoS!

%d blogueiros gostam disto: