Nem mais nem menos. Escolhas…

Atenção: esse post é enorme!

Gente querida dessa internet varonil! (Ui!)

Faz algum tempo que preciso escrever sobre a maternidade e as escolhas que precisamos fazer.

Vamos para um MACRO flashback de 12 quase 13 anos atrás. Eu tinha 15 anos e estava grávida. E eu quis engravidar, eu e meu namorado (que é meu marido até hoje) queríamos casar, e nem venham com conversinha que eu deveria estar brincando de boneca, porque se eu for contar a situação que estava minha vida naquela época vocês iriam entender que o Daniel na minha vida foi providência divina!

Não vamos fugir do assunto. Escolhi casar, tive outras opções, uma delas seria interromper a gravidez (sim, me deram essa opção pra quem não sabe). Isso na época chegou a me ofender, mas talvez a pessoa não entendesse que eu tinha escolhido engravidar. Pra mim soou como uma banalização da vida do meu filho, mas pra ela era só uma questão de ajuda, de dar um caminho.

Casamos, fiz 16 anos e 4 meses depois o Mateus nasceu. De parto normal, porque eu escolhi assim. Meu médico na época era bem favorável a isso, e me ofereceu o parto sem dor (com analgesia). Eu a princípio não queria anestesia, mas depois do soro com ocitocina e das primeiras contrações após o soro (peguei o médico “no pulo” ele tava saindo pra viajar, então resolveu dar uma apressadinha no parto) e o anestesista ali do lado, sempre tão simpático! Pedi pra anestesiar, e foi tranquilo, não senti nada, a sensação era que tinham tirado algum recheio de mim, Mateus nasceu lindo e bem. Me recuperei bem, e menos de uma hora depois eu já estava amamentando ele. Porque eu quis. Me chamaram de doida, me falaram que era mais fácil dar mamamdeira, mas eu não quis. E eu lembro de falar que se todo parto fosse como o do Mateus eu teria 20 filhos porque não senti nada.

Compramos uma chupeta pro Mateus, e numa consulta com o pediatra ele falou tão, mas tão mal da chupeta que jogamos fora ali mesmo dentro do consultório. Ele não usou chupeta, porque nós não quisemos. Eu nunca desacreditei no meu leite, aliás, nós nem tínhamos condições pra comprar um leite artificial, se ele saísse do peito iria direto pro leite de vaca e eu não achava certo eu ter leite, estar disponível (não trabalhava e tinha parado de estudar) e não amamentar. Além do mais, eu sempre gostei de amamentear. Uma coisa que me arrependo foi ter usado com ele o Método Nana Nenê, sabe aquele que deixa o bebê chorar? Então… se pudesse voltar no tempo e dar um presente a mim mesma seria um sling e um livro do Dr Karp. Mas era a moda da época e todos os pediatras indicavam, e internet meu bem, era só pra enviar email e usar o IRC, ICQ. Não tinha o conteúdo que tem hoje não! E o Mateus seguiu sendo amamentado porque eu quis até 1 ano e 2 meses que foi quando eu cheguei a 42 quilos de inanição. Ele literalmente me mamou! E escolhi parar de amamentar. Quis me cuidar, quis engordar um pouco, ficar mais bonita pro meu marido, pra mim.

O tempo passou e voltei a estudar, porque eu quis. Mateus tinha 5 anos e não nunca tinha frequentado escolinha, uma porque não poderíamos pagar mesmo e outra porque eu não via motivo pra isso, ele sabia tudo o que as crianças da idade dele sabiam indo pra escola. Eu levei ele pro primeiro dia de aula, ele me deu tchau e eu chorei, sim… mesmo passando 5 anos com o bichinho grudado em mim me enchendo os pacová 24 horas por dia, eu chorei, e choro de novo de lembrar.

Voltei a estudar, escolhi o curso técnico em Radiologia porque a jornada de trabalho era de meio dia. Só que… eu gostava do que eu fazia e acabei me destacando. Enquanto a maioria das pessoas que se formaram comigo até hoje não conseguiram emprego, de repente me vi trabalhando em 2 lugares. Coloquei o Mateus na escola em período integral, ele estava na 2ª série. Porque eu quis. E fui levar a minha vida de mulher trabalhadora de tripla jornada. Mas a vontade de ter outro filho foi batendo, junto com os desaforos que você leva no trabalho, com gente querendo puxar seu tapete e numa bela noite eu resolvi largar tudo pra ser mãe novamente (nesse meio tempo marido trabalhou pra caramba também e eu poderia fazer isso tranquilamente)… e larguei tudo, porque eu quis! Me chamaram de louca, de fraca, que eu não aguentava mesmo trabalhar porque queria fazer tudo muito certinho… em menos de 2 meses eu estava grávida, pra mim foi uma tipo de confirmação que estava fazendo a coisa certa.

Gabriel nasceu de parto normal, todo corrido com direito a ser levada pelo médico pra maternidade, ser xingada no trânsito no meio do caminho. Nasceu de parto normal porque eu e ele quisemos. Meu médico me propôs uma cesárea, mas como eu já estava com dilatação ele ia esperar mais 2 dias se não nascesse iria induzir. Quando cheguei na maternidade eu achei que como já estava com dilatação total eu ia conseguir ter esse bebê sem anestesia, mas qual foi a minha surpresa… havia um anestesista simpático lá também que me ofereceu dorgas uma raqui e eu fui anestesiada, porque eu quis. Me arrependi, não conseguia respirar direito com o caninho que colocaram no nariz, não sabia a hora de fazer força, mas até que foi rápido. E pra falar a verdade… eu senti tudo, a anestesia foi agir depois, quando fiquei esquecida no corredor enquanto arrumavam quarto pra mim escutando o Gabriel chorar numa salinha ao lado, sem sentir minhas pernas, sem poder levantar. Me arrependi. Pensava que jamais ia querer outro filho! Tive ataque de pânico e não sabia o motivo, tive depressão pós-parto.

Hoje eu vejo que eu idealizei uma coisa pra hora do Biel nascer mas ficou tudo só na minha cabeça. Na hora foi muito diferente e eu tinha que lidar com aquilo. Biel nasceu bem, um bebê fofucho e risonho que por ser assim abreviou com toda certeza esse período cinza da minha vida.

Quando ele tinha 2 meses fui chamada pra uma entrevista pra trabalhar numa clínica radiológica muito conceituada em Curitiba. Fui pra entrevista porque eu quis. Papo vai papo vem, tenho que falar que tenho bebê de 2 meses e amamento e não ia deixar de amamentar. Ela me diz então que é inviável mas que tinha gostado muito do meu perfil (logo eu que tenho nariz de periquito?) e se eu não tinha mesmo como desmamar o Gabriel e ficar com o emprego. Eu recusei o trabalho, porque eu quis. Indiquei uma amiga muito chegada minha que conheci durante o curso e ela trabalha lá até hoje. Indiquei porque eu quis e porque eu conhecia o trabalho dela. Mudamos pra Londrina, era pra escolher entre aqui e Salvador, mudamos pra cá porque era mais próximo dos parentes, a mudança era mais barata… enfim, porque quisemos. Meu pai queria que eu fosse pra Bahia haha!

Usava muito o sling com o Gabriel e sabia costurar, comecei a fabricar os slings porque adivinha? Eu quis. Não era fácil costurar com o bebê mamando, ir ao correio, loja de tecido etc. Meu marido ainda trabalhava fora, eu tinha que me virar. Nesse meio tempo fui pesquisando sobre parto porque fabricar sling me levou a conhecer muita gente desse meio “materno”. Foi quando uma pessoa começou a questionar sobre meus partos. Confesso que na hora fiquei meio ofendida… como assim não precisava episiotomia? Como assim a anestesia que me deram não serviu pra nada e me atrapalhou? Mas aí a pulga já estava lá, atrás da minha orelha, todo dia pulando e mordendo e cada vez mais ia entendendo o que tinha acontecido comigo. Na minha cabeça parir era natural, eu só faria cesarea em caso de necessidade. Mas eu mesmo não tinha feito nada nos dois partos, foi tudo comandado e feito pela equipe.

E foi aí que a Lais começou a ser planejada. Eu sempre quis ter 3 filhos, mas quando tive o Biel fiquei tão mal que achei que nunca mais ia querer nenhum. Mas de tanto lidar com grávidas, bebês, partos… a vontade voltou! Biel mamou 2 anos e 2 meses porque eu quis. Muita gente falava que ele ia ficar dependente demais de mim, que ele não ia se acostumar com outras pessoas e situações… balela. Eu bem poderia seguir amamentando ele mesmo grávida, mas eu realmente não quis, não tinha mais vontade de amamentar e desmamei. Ele não é nada dependente de mim, fica com o pai e com qualquer outra pessoa na boa, sabe muita coisa pra idade dele e ele não vai pra escola agora, porque eu não quero.

Engravidei de novo, porque eu quis, marido não queria muito não… e dessa vez eu queria tudo, queria sentir a dor, queria saber se tudo o que me questionaram era mesmo verdade. Se parir dói mas é bom, se quando chega a um determinado momento não dói mais, se eu era mesmo capaz de fazer sozinha seguindo o meu corpo e não alguém que está do lado de fora. E eu tive tudo. E era verdade. E eu pari sem anestesia de quatro na cama do quarto do hospital porque eu quis. E porque me deixaram. E por isso sou chamada de louca e corajosa, mas não acho que seja corajosa (louca eu já tenho certeza), eu escolhi, eu fiz. E tudo cooperou pra que acontecesse. Sim, foi totalmente diferente dos outros partos como experiência, não tem como negar! Deixei de ter os outros dois filhos por causa disso? Me sinto “menas main” por não ter feito do jeito que eu imaginava que seria antes? NUNCA! A Lais também será amamentada até quando eu quiser, ou quando ela não quiser mais. Vou continuar a costurar os slings até quando eu quiser, Gabriel só irá pra escola quando eu achar necessário e o Mateus não vai ter Facebook, MSN, Orkut até segunda ordem, porque eu não quero ele exposto na internet com o juízo de amendoim que ele ainda tem.

E pra quê eu to contando tudo isso?

Veja bem, eu escolhi esse caminho. Em todas as escolhas tive consequências. Quem teve que arcar com elas? Eu. Você pode achar que foi fácil, que foi muito difícil, que eu deveria ter feito isso ou aquilo, que sou muito boba, muito louca,  pense o que quiser, isso não vai mudar o que eu vivi, o que eu acho certo pra  mim. São as minhas circunstâncias, é a minha vida.

Quer ter filho de cesarea sem necessidade? Não vai ter meu apoio (como eu não tive de várias pessoas pra ter o parto natural por exemplo), mas eu respeito sua escolha. Quer dar mamadeira pro seu filho? Eu entendo, ordenhar é chato, cansativo e pode ser que pra você não dê pra conciliar o trabalho e a amamentação, e você não tá afim ou não pode largar o trabalho. Te respeito. Não acho que isso mude o amor que sente pelo seu filho. Mas aconselho a todas que conheço que se informem sobre o que é melhor para a situação que estão vivendo, pra que possam sempre ter uma escolha pelo menos informada. Mas respeito minha gente, é fundamental.

Eu luto a favor da humanização do parto, não posso ser desumana com quem tem escolhas diferentes das minhas. Quero que me respeitem nas minhas decisões, não quero ninguém debochando da maneira como pari, como amamento minhas crias. Por isso não vou debochar de ninguém. Não vou mais aceitar como ofensa provocação feita por quem não me entende. Eu sou feliz e resolvida com as minhas escolhas, eu não tenho que provar nada pra ninguém. E estou escrevendo tudo isso porque eu quero, e porque não quero mais me envolver nesse tipo de discussão.

Vale mais um filho meu dizer que eu sou a melhor mãe do mundo que qualquer uma outra pessoa que me julga e não me conhece vir me dizer que sou uma mãe de merda.

Se quer que escutem suas ideias, experimente escutar e tentar entender a ideia dos outros.

BjoS!

5 Respostas

  1. lindo post… amei seu relato permitindo que a gente do lado de cá possa te conhecer melhor!
    concordo com sua conclusão pós relato… perfeita…
    e acrescento…
    contudo, vc foi uma das que tiveram a chance de escolher… em muitos casos, o “abrir mão” ou o “não abrir mão” não acontece por escolha… acontece por falta de alternativas que viabilizem outros caminhos!
    Acho que só de se poder escolher, já é uma vitória…independente da escolha que se faça!

    P.S. Vem cá dá as “mão” … rs… tb usei o método nana nenê e tb me arrependi… achei que nunca encontraria alguém pra compartilhar isso :P… enfim… agora a gente se consola kkkk

    P.S. 2. Vc é uma pessoa linda!!! ^^

  2. não é corajosa, vc!?!??! d ir contra td e tds e lutar por suas escolhas!? pelamor! vc é uma das pessoas q + me inspira a lutar pelos meus sonhos e pelo q acredito, senão A q mais me inspira…
    só fico pensando em kem não tem chance de escolher, ou nem sabe q tem essa chance, ou kem ker escolher, mas “não deixam”, pressionam, cobram… e as pessoas eskecem q cada momento é único e pode não haver outra oportunidade… me dá vontade d fazer alguma coisa por essas pessoas tb, c/ certeza vou me ajudar!
    enfim, qria ter mto + “Marilias” ao meu redor e poder ser uma p/ alguém, pelo menos alguém…
    o mundo – pelo menos o nosso – seria mto melhor! e o resto?! q se dane!!! hehehehehe

  3. Falou profundo, e falou verdadeiro. Todas nós temos que ser conscientes das nossas escolhas, porque no fundo, são nossas escolhas, mesmo quando a gente acha que foi na conversa de alguém ou que escolheram por nós.

  4. Mari, seu post é perfeito! Eu já tinha lido seu relato de parto da Lais (e adorado), mas não sabia da história do Biel e do Mateus. Parabéns!

    Dudu nasceu de cesárea pq a médica e eu decidimos assim, eu tive sérios problemas pra amamentar e parei aos 2 meses, trabalho fora desde sempre e o Dudu está na escolinha desde os 5 meses, ou seja, somos opostas! Mas nem por isso deixo de te respeitar, acho que essa é a chave né?

    Cada uma sabe onde seu calo aperta e das suas escolhas. Quisera eu estar ainda amamentando, pq gente, quem em sã consciência prefere pagar R$20 numa lata de leite ao invés de amamentar leite materno, que é a melhor coisa pro bebê? Eu sei de tudo isso, mas pra mim não foi possível. Não foi por preguiça ou pq o peito ia cair, ou pq eu não queria. Mas tem gente que só tem uma coisa na cabeça, é irredutível, não vê o lado de ninguém e segue assim julgando todo mundo.

    Dizer que alguém é mãe de merda por isso ou por aquilo pra mim é absurdo. É ofensa pesada, pq é fácil julgar, mas quero ver estar na pele.

    Não somos mães de merda nem mães perfeitas, somos MÃES, as melhores mães que nossos filhos podem ter.

    Um beijo,
    Thata @semfirulas

  5. Tenho muito orgulho de te conhecer! Tenho muita admiração por vc! bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: