Fisioterapia do Biel (fêmur)

Eu fiquei de postar sobre como foi a recuperação depois da retirada do gesso. E peço desculpas por não ter feito isso antes :).

É que nos últimos dias de fisioterapia eu descobri que estava grávida e aí fui postergando o post, postergando…

Enfim, chega né gente, já fazem aí 3 anos que ele passou por isso e tá mais do que na hora de falar sobre o “pós-gesso”.

Durante o uso do gesso eu notei que nos primeiros dias, pelo cansaço da dor, por perceber que não poderia caminhar, brincar ele ficou muito deprimido. Mas logo ele foi dando um jeito de fazer as coisas que ele gostava.

Dançava com as mãos, aprendeu a falar muitas palavras, brincava com os carrinhos na barra do gesso… se virava no berço pra dormir! Quando eu via estava com uma das pernas pra cima!!!

E chegou o dia mais que esperado que foi a retirada do gesso. Ele se assustou bastante com a máquina que cortava porque fazia muito barulho e ele pensava que iam cortar a perna dele :(.

E aí que começa mesmo a recuperação. Coisas que notamos que podem acontecer também com outras crianças mas que é normal:

  • A pele dele estava cheia de bolinhas, de casquinhas. Demorou mais de um mês pra sair tudo.
  • Ele não sabia mais sentar, engatinhar, andar. Acho que ficou feliz porque não tinha gesso, mas estava muito inseguro. Ele tinha muito medo que fosse doer quando mexesse. 
  • A perna que quebrou estava visivelmente um pouco mais curta que a perna “inteira”. Isso é normal, a perna que quebra vai crescer mais que a outra. Hoje com 4 anos, quase 5, a gente nem nota mais a diferença.
  • A perna quebrada também vai parecer mais fina, magra. Isso depois volta ao normal.

    gesso

    Primeiro banho, primeira fisio, sentando pela primeira vez, ficando em pé no sofá, engatinhando, ficando em pé com apoio e finalmente em pé sozinho!

Ele fez um mês de fisioterapia 3 vezes por semana. A Fisioterapeuta tinha muuuuita paciência. por muitas vezes ele só queria brincar e não fazer o que ela pedia, porque mexia na perna dele e ele tinha medo que doesse. Não doía, mas ele tinha muito medo. Ela usava muito a curiosidade dele para alcançar as coisas, a vontade de andar na esteira pra que ele fizesse os exercícios sem perceber.

Na primeira semana na última sessão ele sentou.

Na segunda semana em casa ainda ele começou a engatinhar.

Na terceira semana lá na fisioterapia ele começou a dar os primeiros passos.

Cada criança tem um ritmo. Confesso que quando tiraram o gesso eu fiquei muito preocupada dele não conseguir nem colocar o pé no chão. Mas depois das 3 semanas de fisio ele se recuperou totalmente!

Se posso dar um conselho é ter muita paciência, com a criança na fisio e com o profissional que atende. Às vezes a criança chora, reclama, mas é preciso fazer o exercício corretamente pra ter um melhor resultado.

Espero que tenha ajudado quem quer saber sobre a recuperação depois do gesso!

BjoS!!!

%d blogueiros gostam disto: